Visualizações no mês

terça-feira, setembro 23, 2014

LUSA NEWS - Entrevista com o ator Jose Trassi, o Burunga do filme Lascados

Felipe Higino
 
Chega nesta quinta-feira aos cinemas  o longa-metragem “Lascados – O filme”.  A comédia gira em torno da história de três amigos paulistas que decidem pegar a estrada para curtir o carnaval de Salvador de 1994. A trama conta com as presenças de Paloma Bernadi (Cenilde), Chay Suede (Felipe), Jose Trassi (Burunga) e Paulo Vilela (Deco).
 
                                     (Foto: Divulgação/ Portuguesa)
(Foto: Divulgação/ Portuguesa)
Entre as diversas locações para as cenas do filme, uma delas é conhecida pelo torcedor rubro-verde. Em uma iniciativa da época do então coordenador de marketing, Carlos Ferreira, a Portuguesa cedeu o ginásio do clube para as gravações de algumas cenas da produção.
 
Entre tantas curiosidades, uma delas é a presença do personagem Burunga, fanático torcedor da Lusa. O encarregado pela interpretação ficou com Jose Trassi, que, além de “Lascados”, já participou de filmes como: “Boleiros 2” e “Os Inquilinos”. Em entrevista exclusiva ao Lusa News, o ator comentou sobre o filme, seu personagem e como foi gravar no Canindé.
 
Veja a entrevista na íntegra com o ator Jose Trassi:
 
LN – O filme “Lascados” conta a história de três amigos que decidem curtir o carnaval de Salvador, um deles é o seu personagem, Burunga. Poderia nos contar como é a personalidade dele no filme?
JT - A personalidade do Burunga é múltipla, quase bipolar (risos). É ele que, desde o começo do filme, insiste na ideia de fazer uma despedida entre os amigos, que se separarão com o início da faculdade. Burunga toma remédios para hiperatividade, é simpatizante da new age, tem uma mãe que pega no pé dele e não sabe o que vai fazer no futuro… É engraçado por ser ele mesmo, sabe, não força qualquer situação… Apenas é nonsense.
LN - E qual a relação do Burunga com a Portuguesa?
JT - O Burunga começou a torcer para a Portuguesa por causa do avô, que foi um ex-jogador do time. Sempre foi zoado na Moóca por isso, todos queriam que torcesse na época para o Juventus, mas o fato apenas deu mais certeza de que ele amava este time. A paixão continua até hoje: Burunga vai aos jogos e tem certeza que o time vai voltar à primeira divisão.
LN- Como reagiu ao saber que o seu personagem seria torcedor do clube?
JT - Pessoalmente gostei por ser um time de tradição, e pelo fato de que eu não tenho o futebol como paixão na minha vida, minha paixão é o teatro. Por isso pude viver essa experiência através do Burunga, e a Portuguesa, time que considero ser uma espécie de símbolo coletivo  da essência de um futebol que se perdeu hoje em dia. Um futebol que se joga pela família , tradição e amor ao esporte, mais do que tratá-lo  como negócio.
LN- Chegou a conversar com algum torcedor para saber curiosidades sobre o time?
JT - Conversei com torcedores durante a preparação para o filme e nas diárias de filmagem no estádio da Portuguesa, para identificar o sentimento da torcida. Conversando, descobri que a Lusa é um dos times paulistas mais respeitados por ter levado muitos jogadores à Seleção e por ter ganhado muitos títulos no passado. Soube da mascote Severa, dos Leões da Fabulosa, que o Zagallo já treinou o time, dos 12×0 contra o Ferroviário da Bolívia… São histórias que criam mitos, é legal. O que fica mesmo,  o que levo para a tela no final das contas, é esse sentimento de respeito e admiração por um time que fez história desde o século passado e que une famílias para torcerem pelo sucesso do time neste século, olha que legal!
LN- Algumas cenas do filme foram gravadas no Canindé, como foi gravar lá no clube?
JT – Foi uma experiência divertida, principalmente para o Burunga , né. Lá no baile os meninos se dão bem, é uma passagem bem legal para os personagens. Eu, como ator, fico feliz por poder conhecer o Canindé de outra forma. Gostei bastante da experiência, foi no começo do filme e os primeiros dias de filmagem.
LN- Poderia nos contar alguma curiosidade sobre você ou bastidores do filme?
JT - Uma curiosidade pessoal é que o primeiro jogo que vi no estádio foi Portuguesa x Santos, no mesmo Canindé que filmamos. Curiosidade sobre os bastidores: fizemos as cenas em tempo recorde.
LN – Poderia deixar um convite para que o público compareça aos cinemas e assista ao filme “Lascados”?
JT - Gostaria de convidar todos os torcedores e envolvidos neste time sensacional que é a Portuguesa a conferir esta comédia feita com tanto amor e carinho, destinada a  toda a família. Como fizemos este filme de forma totalmente independente, para vocês nos ajudarem a tornar este filme um sucesso, é importante irem às duas primeiras semanas de exibição, assim estaremos todos #LASCADOS .
 

http://lusanews.com.br/2014/09/18/entrevista-com-o-ator-jose-trassi-o-burunga-filme-lascados/
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário